Cicle Bike Shop

terça-feira, 3 de maio de 2016

Agenda Biker

Segue a Agenda Biker 2016 #10
(14 de Maio à 26 de Junho de 2016)

CLIQUE AQUI para acessar a Agenda Biker Completa!

MAIO
14 e 15  - IIIº Bike Serra – Desafio da Coxilha Rica
14 e 15  - Audax Floripa - BRM 300 km
15  - Gran Fondo Daniel Rogelin - Itá, SC
22  - 3a Etapa do Circuito SOUL de MTB
26 a 29  - XVIII Volta a SC em Mountain Bike

JUNHO
05  - Desafio Grutas de Botuverá
19  - 2° Pedal Serra Azul em Caçador - SC
19  - Maraton do WARNOW
25 e 26  - Audax Floripa - BRM 400 km
26  - 6° Marathon Márcio May Pedra Branca


+COMPETIÇÕES EM DESTAQUE
03/07  - 4ª Etapa do Circuito SOUL de MTB
20 e 21/08  - Desafio Márcio May 6 Horas - MTB e SPEED
28/08  - 5ª Etapa do Circuito SOUL de MTB
02/10  - Granfondo da Arrábida - Portugal
23/10  - 5° Praia do Rosa Bike Marathon
06/11  - 6ª Etapa do Circuito SOUL de MTB

Legenda
[  ] - Próximo final de semana
[  ] - Evento em destaque

Ricardo Pscheidt é vice-campeão da Fecha Copa Nacional na Costa Rica

Com o resultado, o catarinense somou 40 pontos nos rankings olímpico e mundial de mountain bike; Francisco Chamorro é pódio na última etapa Volta da Turquia

Fonte: ZDL Comunicação


Pscheidt durante a Fecha Copa Nacional
O catarinense Ricardo Pscheid (Trek/Shimano) representou o Brasil neste domingo (1º/5) na Fecha Copa Nacional, em Alajuela, na Costa Rica. Com o vice-campeonato conquistado, o atleta do Shimano Sports Team somou mais 40 pontos nos rankings UCI (União Ciclística Internacional), mantendo vivo o sonho de representar o País na Rio 2016. Na Volta da Turquia, o argentino Francisco Chamorro (Funvic/Soul Cycles) conquista o terceiro lugar da última etapa, enquanto Lucas Borba (Audax/Shimano) é o oitavo colocado do Brasil Enduro Series, em Campos do Jordão (SP).

Ricardo Pscheidt foi o único estrangeiro no pódio da elite masculina, vencida por Paolo Montoya. Diego Solano, Carlos Herrera e Frederico Mendez completaram as cinco primeiras colocações. "Estou muito feliz com esse resultado. A esperança de representar o Brasil na Rio 2016 volta a crescer. Como era de se esperar, fez muito calor e o tempo estava muito seco. Fiz uma prova planejando friamente cada volta para não errar e sempre andando entre os primeiros colocados", contou Pshceidt.


Ricardo Pscheidt no pódio na Costa Rica 
"A pista estava bastante técnica com diversas alterações feitas pela organização e também muito travada", avaliou o catarinense. "O grupo Shimano XTR Di2 de troca de marchas eletrônica funcionou perfeitamente, o que me ajudou a obter um melhor desempenho. No set-up da minha bike, optei por uma coroa de 32 dentes, o que se mostrou bastante efetivo", complementou Ricardo Pscheidt.

Com os pontos conquistados na Fecha Copa Nacional, aumentam a possibilidade de Ricardo Pscheidt estar na Rio 2016, uma vez que existem chances reais de o Brasil ter um segundo representante no cross country olímpico (XCO). Além do já classificado Henrique Avancini, a briga de Pscheidt está polarizada com o mineiro Rubinho Valeriano. Se antes o atleta Shimano estava 34 pontos atrás de Rubinho, com os 40 pontos trazidos na bagagem da Costa Rica o catarinense deve ultrapassar seu rival na próxima atualização do ranking UCI.


Chamorro (dir.) no pódio da Volta da Turquia
Volta da Turquia - A Funvic - Soul Cycles, equipe de São José dos Campos que conta com os componentes Shimano Dura-Ace Di2 e mecânico, completou neste domingo sua participação na 52ª edição da Volta de Turquia. Na oitava e última etapa, com 201,7 km entre Marmaris e Selçuk, o argentino Francisco Chamorro foi o destaque, ao conquistar a terceira colocação. O espanhol Antonio Piedra foi o melhor colocado no geral, em 27º. 

"Estou muito feliz com o resultado e devo isso a muito esforço e trabalho de todos da nossa equipe. Nesta última disputa foram mais de 200 quilômetros e no final eu estava muito cansado, porque havia várias subidas ao longo do percurso. O Piedra me ajudou muito na última subida e isso foi um dos pontos determinantes para que eu conseguisse fazer o sprint e garantir um lugar no pódio", destacou Francisco Chamorro.


Lucas Borba
Brasil Enduro Series - O catarinense Lucas Borba disputou neste fim de semana o Brasil Enduro Series, competição pioneira de MTB enduro no Brasil, e completou a disputa da elite na oitava colocação. A vitória da etapa ficou com o mineiro André Bretas, atual campeão do BES. Apesar de a modalidade não ser a especialidade de Lucas, a competição serviu de treinamento para seus próximos desafios na Europa, onde disputará duas etapas do Campeonato Catalão de downhill. 

"A corrida foi bem bacana, com uma boa estrutura e as pistas bem construídas. Em resumo, exigiu o máximo do preparo físico. Estou contente com o resultado, porque não é minha modalidade. Os profissionais do Enduro do Brasil estão muito fortes, o que me deixa contente por estar no top 10 da competição. Mas, confesso que não vejo a hora de pedalar na minha bike de downhill", avaliou Lucas Borba. 

Mais informações no site: http://bike.shimano.com.br
Twitter:@shimanobrasil
Fanpage no Facebook: www.facebook.com/shimanobrasil

Siga a ZDL no twitter:twitter.com/ZDLcomunica
e no facebook ZDL Comunicação


segunda-feira, 2 de maio de 2016

O dia mundial do “Vá de bike ao trabalho” é uma iniciativa criada em 1956 nos Estados Unidos, por uma Liga de Ciclistas com o intuito de mostrar que a bicicleta é uma opção viável para ir ao trabalho. Não muito diferente da ideia, o EuVou! Floripa Park’n Shower vem provando para dezenas de amigos e clientes que não somente é possível, como é melhor decisão que pode-se adotar, seja pelos benefícios físicos, econômicos e sociais.




Por isso, na segunda sexta feira do mês de maio, dia 13, dia Nacional do Vá de Bike ao Trabalho, iremos oferecer 20 diárias completas (incluindo estacionamento, banho e toalha) para qualquer pessoa! Isso mesmo, não é sorteio, as primeiras 20 pessoas que enviarem um email para contato@euvoufloripa.com.br com seus dados (nome, endereço e telefone) terão custo zero.
Incentive seu colaborador, cliente e amigo, e mostre como podemos fazer parte da mudança! É nossa forma de contribuir com a mobilidade, sustentabilidade, produtividade e "Felicidade!".
Desde já agradecemos!

João Felipe Frandolozo
Equipe EuVou! Floripa

(48) 3037-2565

EVERBIKE: PRIMEIRO APLICATIVO DE COMPARTILHAMENTO REMUNERADO DE BICICLETAS DO BRASIL É LANÇADO EM FLORIANÓPOLIS


Florianópolis começa a ver em suas ruas um novo modelo de mobilidade urbana: o compartilhamento remunerado de bicicletas. Bikes com a marca estão espalhadas por diversos pontos da cidade e podem ser utilizadas por qualquer pessoa.

O acesso às bikes é feito por meio do aplicativo, disponível para Android na loja Google Play. Os usuários do app podem visualizar no mapa as bikes disponíveis e obter a senha de liberação com poucos cliques. Depois de pedalar, o usuário que desejar devolver a bicicleta precisa apenas encontrar um local público para travar a bike com segurança e fazer o checkout no aplicativo. Não há estações fixas, o que torna a utilização muito mais flexível. O aluguel custa R$ 9,90 por hora de uso e o pagamento é feito online, de maneira fácil, rápida e segura usando o PayPal. Mesmo usuários que não tem conta podem utilizar pois o cadastro é feito em poucos minutos.


Outro destaque do aplicativo é a possibilidade de cadastrar bikes para alugar. Qualquer pessoa pode cadastrar uma bicicleta e ganhar dinheiro a partir dos aluguéis gerados por ela. Funciona quase que como um airbnb para bikes, porém, muito mais fácil. O proprietário só precisa verificar a bike de tempos em tempos, garantindo que a mesma esteja sempre em boas condições de utilização. E a cada aluguel o dinheiro entra na sua conta automaticamente.

A Everbike já projeta sua expansão para outras cidades do estado de Santa Catarina e do Brasil, por se tratar de uma solução escalável e atraente para investidores e pessoas que desejam ter uma renda extra, sem precisar dedicar 100% do seu tempo à atividade. Por isso, a disponibilização de bicicletas no sistema Everbike é especialmente interessante para comércios locais e empresas, já que permite divulgar sua marca, associando-a à uma atitude sustentável e, como se não bastasse, ainda gerar receita com aluguéis.

E você, já conhece o aplicativo? Baixe ele agora na Google Play e veja as bicicletas disponíveis na sua região! Ou cadastre uma e comece a ganhar! Andar de bicicleta pela cidade nunca foi tão fácil.


Everbike é a sua bike, onde quer que você vá!
everbike.com.br
Informações para a imprensa: 48 | 3233-6415

sábado, 30 de abril de 2016

Percursos totalmente novos!

PRO com 69 km e 1500 metros de desnível!

Novos caminhos Marathon Márcio May Pedra Branca!

MAPA e ALTIMETRIA
PRO: 69 km, 1500 m de altimetria
. Link 1: StravaLink 2: GPsies

SPORT: 36 km, 600 m de altimetria
. Link 1: StravaLink 2: GPsies

INSCRIÇÕES
Valores
Até 9 de maio (Lote promocional) 
  R$ 150,00 com KIT – (Camisa de ciclismo, meia e caramanhola)
  R$ 90,00 – SEM KIT

De 10 de maio até 20 de junho
  R$ 175,00 com KIT e 
  R$ 115,00 – SEM KIT

KIT ATLETA

. A retirada de kits acontecerá no sábado dia 25/06, no Show Room Pedra Branca.
. Local: Av. Pedra Branca, em frente à Unisul – Pedra Branca/ Palhoça – SC
. Horário: a partir das 14h.
. Itens do kit: Placa com chip, caramanhola, camiseta de ciclista e meia.


VENHA VENCER ESTE DESAFIO!
inscreva-se




PERCURSO PRO

TOUR VIRTUAL (PRO)

PERCURSO SPORT

TOUR VIRTUAL (SPORT)

ATENÇÃO: o TOUR VIRTUAL somente funciona para os navegadores FireFox e Internet Explorer. Caso esteja usando outro, copie o link e abra num destes dois.
Nesta época de frio tem aqueles que curtem uma pedalada e outros que nem chegam perto da magrela! :)

O frio não é motivo para vc deixar de pedalar! Se quiser encarar um pedal, mesmo com temperaturas baixas seguem DICAS (link 1 e link 2) e MOTIVOS (neste link) para vc poder pedalar numa boa!

Agora, preste muita atenção e CUIDADO COM A HIPOTERMIA NO CICLISMO, pois ela pode ser FATAL!

Confira o que é, dicas e casos verídicos sobre este assunto nesta publicação.

HIPOTERMIA NO CICLISMO

Fonte: Blog de Ciclismo - Ciclista Virtual

São comuns casos, principalmente em provas longas, de ciclistas ou triatletas que precisam buscar superação no confronto com a hipotermia.

Mas o que é exatamente a Hipotermia ?

Falando em linguagem bem popular, somos animais de "sangue quente" e mantemos normalmente nossa temperatura corporal em 37º C.

A alteração mais popular é o aumento desta temperatura, que chamamos de febre. Mas há também o caminho inverso, que chamamos de hipotermia. Esta hipotermia baixando dos 28º é potencialmente fatal e por isso, os atletas devem estar atentos quanto a manutenção e controle da temperatura.

Como ela acontece ? 

Obviamente a temperatura ambiente é o primeiro fator, treinar no frio sem a preparação adequada já é o primeiro passo para se sofrer com o problema. A falta de preparo é com certeza outro fator importante. Mas existem fatores menores que quando acumulados também geram grandes problemas, como por exemplo :
. Velocidade do Vento
. Uso de vestimentas úmidas (meias, luvas, camisas ... )
. Longos períodos pedalando sob a chuva.
. Vácuo constante em algumas situações.

Como evitar ?

. Aclimatação, preparação física e alimentação, podem ser considerados a base, mas o conhecimento corporal é com certeza o mais importante. O atleta deve manter o controle constante e estar atento aos sintomas como :
  - Ausência dos tremores
  - Mudança de cor dos lábios e às vezes nariz
  - Arrepio dos poros

. Evite resfriamento rápido após um ciclo de exercícios. A hipotermia pós-exercício pode ocorrer porque, embora a produção de calor tenha diminuído, a taxa de calor perdido permanece alta. Ao final de uma prova de resistência a baixas temperaturas, recomenda-se agasalhar-se bem e, se possível, buscar conforto em ambiente quente.

. Uso de roupas adequadas

CASOS VERÍDICOS
O primeiro acabou tendo um final cômico, mas poderia ter sido trágico:
Policiais salvam ciclista do frio em SC e descobrem que bicicleta era furtada (Fonte: G1 Globo.com)

O segundo aconteceu com atletas da Elite Mundial do Ciclismo:
. Hipotermia causou abandono coletivo de ciclistas na 14ª etapa da Vuelta da Espanha (Fonte: Pra Quem Pedala)


Não quer pedalar porque está fazendo frio? Basta se agasalhar, começar a pedalar, se esquentar e a diversão tá garantida! :) De qualquer forma, seguem 3 links contendo várias DICAS e MOTIVOS para vc pedalar mesmo durante o frio! :)

quinta-feira, 28 de abril de 2016

Quando pensamos em tempo ruim, uma das primeiras coisas que vem na mente é uma cama bem quentinha e televisão. Mas como nós sabemos, isso não queima calorias nem fortalece musculatura. Vamos deixar os ingleses dar 5 motivos para pedalar mesmo com aquela garoa chata. Por que o que não falta na Inglaterra é tempo fechado.

Fonte: Revista Bicicleta por Mike Anderson


Nota: apesar do incentivo, queremos lembrar que pedalar debaixo de chuva forte pode causar danos sérios a sua bike.

Encare tempo ruim como um desafio

Vamos ser sinceros, a maioria de nós não fica muito feliz ao acordar cedo, abrir a cortina e ver aquela garoa combinada com frio. Mas isso não é motivo para encostar a magrela.
Para os profissionais, o inverno é quando a 2ª temporada começa. O treino que eles fazem nesse período tem um efeito gigantesco na performance deles na próxima temporada de corridas, e mesmo que nós não tenhamos uma programação dedicada assim, é uma boa ideia manter a forma durante os meses mais frios.
Além disso, pedalar dentro de casa em um rolo é um tanto entediante. Mesmo se você é do tipo de ciclista que consegue passar três horas pedalando em um rolo (e eu tiro meu chapéu se você for), você deve concordar que pedalar ao ar livre é simplesmente mais divertido.
Com isso mente, fizemos essa lista.

O ministério da saúde adverte: pedalar demais no rolo pode te deixar maluco


Pedalar no rolo ou em uma bicicleta ergométrica certamente tem o seu lugar, mas vamos e convenhamos – nada substitui o ar livre e as sensações que ele traz.
O pedal em tempo ruim é por si só, um incentivo. Por que se você quer se manter aquecido, você precisa manter um bom ritmo. Ou seja, nada de cinco horas pedalando a 15km/h. Sair e fazer um pedal forte e concentrado de 90 minutos com o tempo ruim vai lhe manter aquecido, será um treinamento de qualidade e você não vai afrouxar a não ser que comece a sentir frio.
Você vai melhorar suas habilidades de pilotagem
Naturalmente, quase todo mundo é mais cuidadoso pilotando em terreno molhado. Até os profissionais. Andar nessas condições exige mais atenção e cuidado na hora de fazer curvas.
A tentação é ficar em casa com tempo ruim, mas se você ficar, nunca vai melhorar suas habilidades de pilotagem com terreno molhado. Uma hora ou outra, você vai ter que pilotar em condições molhadas ou mesmo debaixo de chuva, talvez voltando de um pedal ou em uma competição para a qual você treinou por meses.
Pilotar em condições molhadas é ótimo por que tira você da zona do conforto, e você passa a colocar sua mente em jogo durante a pilotagem de uma maneira que nós não colocamos em um passeio com tempo bom. No molhado, você acaba pensando em como fazer as curvas, ao invés de fazê-las instintivamente.
Pedalando em condições molhadas, você se fica bom em pedalar no molhado. Mas se você não fizer isso, não ficará bom em pedalar no molhado. Simples assim. E ainda, se você ficar em casa o inverno todo, vai estar um tanto travado quando começar a esquentar.
Assim que se aprende a fazer curvas com agilidade no molhado, fazer curvas em estrada seca vai parecer muito fácil e consistente.

O tempo raramente está tão ruim quanto parece

Do ponto de vista de um sofá quentinho, o tempo lá fora vai parecer bem mais frio e úmido. E superar isso é de longe a pior parte desta batalha.
Certamente os primeiros quilômetros vão ser frios até seu corpo esquentar, mas em 90% dos casos em que eu saio para pedalar com tempo ruim, ele estava ótimo em comparação com o que eu imaginava que seria enquanto estava dentro de casa.
Uma maneira de resolver isso é por facilitar as coisas. Se suas roupas de ciclismo estiverem prontas e acessíveis e sua bike estiver pronta para rodar, então a transição do sofá para o selim será mais fácil e rápida do que se você tiver que ir atrás disso.
Outra chave é se equipar corretamente. Por exemplo, o segredo de pedalar na chuva é se manter aquecido – não necessariamente se manter seco – e é aí que roupas a prova da água conseguiram se tornar populares nos últimos anos. Se a chuva ficar muito forte você vai se molhar, queira ou não. Mas é estar aquecido ou não que determina se o seu pedal será divertido ou se será um desastre.
Com o frio é parecido. Você terá de dominar as camadas. Por que enquanto você se preocupa com o frio, também tem que se preocupar com o calor que virá depois gerado pelo exercício. Quer se trate de uma jaqueta que se descompacta, algo com aberturas extras ou com camadas removíveis, você precisa de uma forma para resfriar seu corpo assim que ele começar a gerar calor.

Paz e tranquilidade

Talvez seja o som da chuva atingindo o chão (e eu), ou talvez o céu cinzento que faz o mundo parecer menor, mas há um elemento de intimação no tempo ruim que simplesmente não existe não verão.
Eu gosto de pedalar em grupo, mas um longo pedal solo de inverno traz um sentimento que nada mais consegue trazer, aquele clássico clichê “apenas eu e a minha bicicleta”.
E, pela minha experiência, ao menos, você vai encontrar muito menos pessoas pedalando com o tempo ruim, então você terá muito mais privacidade do que nos meses de verão.

Você vai ser durão feito um prego

Se você pedalou na chuva, neve, frio ou similares, cá entre nós, isso é motivo legítimo para se gabar para os seus amigos (a menos que eles também estivessem lá). Até mesmo a nona das regras loucas do Velominati diz que pedalar com tempo ruim é para mostrar quem manda.
Mas lembre-se, ser durão pedalando com tempo ruim não significa sair de casa com temperaturas abaixo de zero ou pilotar na chuva usando shorts e camisa para ganhar uma bela hipotermia uma hora depois. O nome disso é idiotice.

Fonte: Blog WB Bike Shop

Pedalar no frio não precisa ser algo assustador. Mesmo que o clima tenda a deixar as pessoas mais preguiçosas ou menos corajosas, é possível andar de bicicleta confortavelmente mesmo quando os termômetros estão lá embaixo. Para isso, existem alguns pontos que merecem atenção. 



O CicloVivo separou seis dicas de como pedalar quentinho no inverno:

1. Mantenha o tronco aquecido
Proteger o peito, pulmão e costas dos ventos frios é essencial, principalmente para evitar gripes e resfriados. Por isso, uma dica é sempre vestir uma “segunda pele”. Esta camada de roupa, colada ao corpo, mantém as outras peças de roupas secas e reduz a perda de calor. A melhor opção para usar por cima são as jaquetas que bloqueiam o vento. Caso você não tenha um modelo com essa tecnologia, é possível utilizar jornal ou plástico entre as roupas, para impedir a passagem do ar e manter o calor do corpo.


2. Proteja toda a cabeça
Aproximadamente 30% do calor do corpo é perdido através da região da cabeça, devido à grande quantidade de sangue que circula por ela. Portanto, uma sugestão é usar uma “bandana” por baixo do capacete. Outra bandana pode ser amarrada no rosto para proteger nariz e boca. O vento frio pode fazer os olhos lacrimejarem, o que prejudica muito a visão. Portanto, tenha sempre um bom óculo de ciclismo por perto.


3. Dica para os pés
Esta é outra área que nos faz perder muito calor. Portanto, exige atenção. Existem botas e meias ideais para ciclismo. Mas, isto não é algo extremamente necessário. É possível mantê-los protegidos e aquecidos com muito pouco. A mesma dica do plástico ou jornal usada para aquecer o peito pode ser aplicada aos pés. Use uma sacola de mercado entre a meia e o tênis. Isso impedirá a passagem do ar frio e manterá o calor do corpo.


4. Cuidado especial com os joelhos
Mesmo que as pernas se aqueçam rapidamente, logo no início da pedalada. É importante cuidar para que os joelhos estejam sempre aquecidos, isso os manterá devidamente lubrificados e em bom funcionamento. Aqui também é possível usar calças térmicas, que podem ser vestidas por baixo de qualquer outra roupa.


5. As mãos
Para manter as mãos aquecidas não existe segredo além das luvas. Mas, mais do que mantê-las quentinhas, as luvas de ciclismo também ajudam a melhorar a circulação do sangue nas mãos, protegem em casos de quedas e evitam as desagradáveis bolhas.


6. Cuidado para não esquentar demais
Mesmo com todas essas dicas, o mais importante é tentar fazer um pequeno aquecimento antes de começar a andar de bicicleta. Isso impedirá que você use roupa demais e fique superaquecido durante o trajeto, o que pode ser um incômodo ainda maior que o frio. A própria pedalada fará o corpo aquecer rapidamente, portanto, não exagere nas roupas.
Se você tem mais dicas e sugestões para pedalar no inverno, compartilhe conosco.


Por Thaís Teisen – Redação CicloVivo
"Requentado" :) uma publicação de 2012, já que estamos quase no inverno e já tivemos a chegada de uma frente bem fria!

É possível curtir sua pedalada sem se incomodar com o frio! :)


Publicado em 05/07/2012

Apesar de este ano o frio ter aparecido poucas vezes, mesmo já estando no inverno, as dicas abaixo são bem úteis para quem não quer pedalar, mesmo com baixas temperaturas.

No meu caso, não deixo de pedalar por causa do frio, exceto nos casos em que, além de frio, ainda está chovendo. Nesta situação, se já estou no meio da pedalada, procuro terminá-la o mais rápido possível, ao invés de parar e esperar a chuva passar.

O texto abaixo é bem interessante e traz ótimas dicas para quem quer curtir um pedal, mesmo no frio. Clique aqui para acessar a fonte dele.

"O frio não é desculpa para não sair para pedalar, principalmente se o tempo estiver seco, sabendo algumas dicas e praticando, a pedalada pode se tornar até mais gostosa do que naqueles dias de calorão do verão.

O calor é bom, mas quem reside no sul do Brasil pode se considerar um privilegiado, porque pode pedalar e conhecer paisagens diferentes nas quatro estações do ano. O Importante é saber desfrutar das vantagens do clima de cada estação, que na região sul são mais definidas.

No frio você tem outras maneiras de controlar a temperatura, outras paisagens para apreciar, outras frutas para degustar, outros cuidados para tomar.

As dicas de pedaladas no frio, que você encontra em revistas nacionais, geralmente são paliativas e estão mais direcionadas para a venda de produtos dos anunciantes, por isto resolvemos escrever sobre o assunto de maneira simples e tornando a pedalada o mais econômica possível.

Estas dicas não são definitivas, considere como sugestões, e tire as próprias conclusões, adapte as ao teu tipo de pedalada, use a dica que mais você gostou.

Mesmo que você seja um ciclista experiente, acostumado a pedalar no frio, que tenha bom equipamento, sempre pode aprender ou lembrar de algo que estava esquecido.

Quando está frio?

Para pedalar no frio é preciso ter uma noção mínima de meteorologia, e ao menos prestar a atenção na previsão do tempo, coisas simples do tipo:

Você vai pedalar 100 km em um dia e no trajeto a ser realizado vai subir a serra, quanto maior a altitude menor é a temperatura. Se você não estiver prevenido pode passar frio.

Você pretende pedalar da 1h até às 16 horas e a previsão do tempo é um dia limpo com sol.

Na madrugada vai estar muito frio, mas durante o dia, principalmente à tarde, a temperatura aumenta e você vai ter que tirar boa parte da roupa que está vestindo.

Pense nisto antes de sair, no momento de escolher a roupa a utilizar. Para estas dicas considero fria a temperatura de -4 até 12 graus.

Acima de 12 graus já não é mais tão frio, dependendo do local onde você se encontra.

Por exemplo, no alto de uma montanha com muito vento você pode sentir muito frio com 12 graus de temperatura.

A temperatura de 4 graus negativos é a mais fria que já pedalei e no Brasil são poucos os lugares e os dias do ano em que a temperatura pode ser ainda menor.

Aquecimento

Exercícios de alongamento por um período de aproximadamente 10 minutos, dando maior ênfase para os membros inferiores.

Alongue principalmente as pernas e a lombar;

Pedale os primeiros minutos em um ritmo leve aumente a intensidade das pedaladas gradativamente;

Logo depois de pedalar alongue a musculatura mais uma vez.

Alimentos

Com o frio tem-se uma necessidade calórica maior para manter a temperatura do corpo, por isto uma alimentação saudável é muito importante!

Aproveite a estação para comer frutas cítricas que contem uma quantidade maior de vitamina C.

Em dia muito frio e seco é normal ocorrer o ressecamento dos lábios e a ingestão de vitamina C é importante para a recomposição dos tecidos o que ajuda a evitar este ressecamento.

Procure nas farmácias por Cebion Glicose, leia as indicações no envelope ou procure orientação médica. Veja informações no site http://www.cebion.com.br/

Para pedaladas longas, coma algumas barras de cereais e/ou barras energéticas durante o percurso. Não espere a fome chegar para ir repondo as energias.

Após a pedalada uma xícara de chá ou leite quente sempre é bom para aquecer.

Proteção

O sol em dias frios também causa queimaduras, por isto o uso de protetor solar não deve ser esquecido;

O ar muito frio causa ressecamento da pele por isto pode-se usar loção hidratante para as partes expostas do corpo;

O ar gelado, próximo a zero grau, causa uma espécie de queimadura na pele, mesmo à noite, por isto nas partes expostas do corpo, por exemplo, o rosto, pode-se inclusive utilizar protetor solar, que geralmente funciona também como hidratante;

Para evitar o ressecamento dos lábios deve-se utilizar creme ou óleo especial, o mais conhecido, barato e popular é conhecido como "Manteiga de Cacau" e é encontrado nas farmácias;

O Ar seco, principalmente quando associado à poeira, causa ressecamento nos olhos, este é mais um motivo para o uso de óculos de proteção, evitar futuros problemas de visão.

Quando respiramos o ar gelado é muito freqüente acontecer irritação na garganta, por isto o ideal é inspirar o ar pelo nariz e utilizar roupa que mantenha o pescoço protegido.
Evite limpar os ouvidos em excesso! Parece brincadeira! A cera formada nos ouvidos serve de proteção e somente o excesso deve ser limpo. Não confunda ouvido com orelha!

Ritmo de pedalada

Procure pedalar em um ritmo constante para manter-se aquecido;

Procure parar somente quando é extremamente necessário, fique parado o menor tempo possível e de preferência pare em local mais protegido.

Quando você está pedalando em um ritmo forte, principalmente em subidas, seu corpo fica mais aquecido, quando você para, seu corpo esfria, por isto, nas paradas e descidas longas coloque uma roupa mais quente.

Vestuário

A maior dificuldade é escolher a roupa a usar, cada situação pode exigir um tipo de roupa diferente. A dica principal é não se encher de roupa, por mais que esteja frio, pedalando você vai se esquentar.

Que tipo de roupa usar? O principal é usar roupas leves e que não dificultem os movimentos. Existem roupas com tecnologias muito avançadas, capazes de manter o corpo seco e aquecido, porem, são bem mais caras que as roupas normais, mas são um investimento que compensa.

Vamos dividir conforme as partes do corpo:

Pés

Em um dia seco uma sapatilha ou tênis normal já é o suficiente. Em um dia chuvoso ou no barro o ideal é uma sapatilha especial para o frio. A Shimano possui um modelo especial a prova de água com cobertura no tornozelo em neopreme que ajuda a manter o pé seco e quente.

Se você não utiliza pedal de encaixe use um tênis ou botinha que isole melhor, ou então que não retenha água, um par de meias grossas também ajuda.

Em caso de improviso utilize sacos plásticos para isolar os pés, prenda-os com fita plástica, mas não abafe muito e não deixe o pé ensacado por muito tempo, também preste a atenção para não prender o saco plástico na corrente da bike.

Uma opção pouco utilizada é cobre botas de neopreme, que são capas para serem colocadas sobre as sapatilhas com uma abertura para encaixe dos tacos no pedal. A desvantagem no mtb é quando você precisa pisar no chão, melhor para pedaladas no asfalto, isola muito bem o pé.

Pernas

Para dias secos, o mais utilizado é a calça de lycra especial para pedalar, é confortável como uma bermuda. Se o dia está muito frio você pode utilizar uma calça de abrigo leve por cima da calça de lycra.

Uma opção é o uso de calça de Supplex, tecido especial que elimina melhor o suor, mais utilizado por mulheres.

Para um mountain bike mais agressivo ou na chuva o indicado é o uso do mesmo tipo de calça utilizado no Bmx, Down Hill ou Motocross. Este tipo de calça é resistente, forrada para proteção e leve.

Quase todas as marcas possuem letreiros com a marca, costurado nas pernas, coxas e na parte superior a bunda, para deixar a calça ainda mais leve pode-se retirar estas propagandas.

Opção mais versátil é o uso de pernito, ou seja, um par de pernas avulso para ser utilizado em conjunto com a bermuda de ciclista. É leve, confortável e ocupa pouco espaço para transporte.

A desvantagem é quando você vai utilizá-lo para caminhar ou correr, ele geralmente começa a cair.

Outra opção é o uso, por cima da bermuda, da calça das capas de chuva para motoqueiros. Rasga fácil e não permite a transpiração, mas protege da chuva.

Opção para aventureiros é a utilização de calça de neopreme. Mais indicado para corridas de aventura. Desvantagem é o preço e dependendo de onde você for pedalar vai ser um pouco exagerado!

Mãos

Para as mãos é obrigatório o uso de luvas do tipo full Finger (dedo inteiro), as melhores são as utilizadas para o bmx, DH. Disponível em vários modelos e marcas no mercado.

Segure as mãos na manopla, quando as mãos estão em contato com o metal, por exemplo, do bar ends, esfriam muito mais rapidamente.

Para dias de chuva é necessário o uso de um par de luvas impermeável, uma boa opção é a luva Cannondale Ultrex, é impermeável, leve, permite a respiração e tem cano longo que fecha até a manga do abrigo.

Em pedaladas na chuva e frio, se você não tiver alguma luva impermeável, utilize luvas com tecido que não fique encharcado, exemplo lycra, se não possuir é até melhor pedalar sem luvas do que utilizar luvas ensopadas e geladas.

Braços: 

A opção exclusiva para os braços é a utilização de manguito, ou seja, um par de mangas de camisa avulso para ser utilizado em conjunto com camisa de ciclista. Vantagens: é versátil, você pode retirar facilmente quando esquentar é leve e ocupa pouco espaço para transporte.

Camisa de manga longa
Opção muito utilizada é a camisa de ciclista de manga longa.

Para dias muito frios, com chuva ou neblina apenas uma camisa manga longa não é suficiente, vai ser necessário também o uso de um abrigo.

Cabeça

O mais confortável é a utilização de touca. Atenção! Use touca para passear no parque, se for para praticar mountain bike, pedalar mais rápido ou no transito, use capacete! Touca com capacete não fica legal. Se você está na dúvida entre usar a touca ou o capacete escolha sempre a segunda opção.

Em caso de chuva o uso de touca não resolve e a solução é a utilização de capuz de nylon do abrigo. O capuz deve ser utilizado por baixo do capacete, isolando quase toda a cabeça da chuva, deixando exposto apenas o rosto.

Tronco

Evite o uso de blusão de lã, casacos pesados ou varias camisetas ao mesmo tempo, o ideal é a utilização de abrigo impermeável, mesmo em dias sem chuva. Utilize uma camisa de ciclista manga curta ou longa, conforme o frio, e por cima protegendo do vento ou da chuva use o abrigo impermeável.

Como deve ser o abrigo: 
Os melhores são os importados com tecidos especiais que isolam da água e vento e permitem a transpiração, mas infelizmente, são mais caros e não estão disponíveis para todos os bolsos.

Se você não quer investir tanto nas suas pedaladas pode utilizar abrigos mais baratos, mas que tenham as seguintes características:

Capuz também impermeável que possa isolar a cabeça;

Uso de abrigo e calça cumprida
Zíper ou sistema de abertura frontal - para você abrir quando estiver mais quente (EX: nas subidas), e para fechar quando estiver mais frio (Ex: nas descidas e na chuva);

Bolso frontal ou na parte traseira para guardar pequenos objetos, energéticos etc.;

Manga longa até bem próximo as mãos, para evitar a entrada de vento e para poder ser fechado pelo cano longo das luvas;

Que mantenha o pescoço protegido, de preferência que feche até bem próximo ao queixo;
Que não seja muito solto, para evitar uma maior resistência no ar, e que não seja muito apertado, para não dificultar os movimentos;

Que seja de material resistente e leve sem forros que retenham água.

Com estas características pode-se encontrar vários abrigos, capas tipo anorak, procure em lojas de material de aventura, de caça e pesca e no setor de camping de lojas maiores que você vai encontrar modelos a preços bem acessíveis. Veja exemplo de anorak no site http://www.trilhaserumos.com.br/

Outros
O uso de mochila ajuda a manter as costas quentes;

O uso de sistema de hidratação em baixo do abrigo impermeável ajuda a manter o liquido aquecido;

O uso de pára-lama para o mountain bike na chuva ajuda a evitar o contato com o barro e água;

O equipamento é fundamental para uma pedalada agradável em condições adversas:
escolha bem o que vai utilizar;


Prefira equipamentos de melhor qualidade, mesmo que custem um pouco mais;

Mantenha o equipamento sempre em condições de uso.