Biketech Floripa

sexta-feira, 29 de maio de 2015

A publicação abaixo foi feita para o Triathlon, mas pode ser utilizada por todos os ciclistas, em especial por quem usa bicicleta speed (estrada).

Fonte: Prólogo por Taissa Esteves
 
Saiba como evitar contratempos, como problemas mecânicos com a bike, 
durante a disputa no ciclismo

A disputa do ciclismo é a mais incerta das três modalidades dentro do triathlon. Isso porque, além do condicionamento físico, o atleta também deve se preocupar com a bike e saber evitar contratempos. Problemas mecânicos são comuns durante competições e muitas vezes custam um tempo precioso para serem resolvidos — isso quando têm solução. Por isso, conversamos com a triatleta Maria Cecília Carvalho — mais conhecida como Ciça —, que já soma três participações consecutivas no Mundial de Ironman em Kona (2012, 2013 e 2014) e deu algumas dicas sobre como agir em caso de problemas com sua bike no meio da prova.

Kit reparos
Levar consigo um kit de reparos é fundamental ao sair para pedalar, principalmente em uma prova, para evitar contratempos. Ele deve conter um conjunto básico de ferramentas e peças sobressalentes para o reparo dos pneus. No caso de rodas clincher, é preciso levar câmaras, espátulas e cartuchos de CO2 (com a válvula) — que costumam ser mais eficientes e rápidos que bombas de mão. Para pneus tubulares, tenha pelo menos um pneu extra e, no mínimo, dois cartuchos de CO2 (com válvula) — ou bomba de mão. Para pneus tubulares, vale também contar com um selante (espuma que veda rapidamente pequenos furos).

PNEU FURADO
Exercite bastante como fazer a troca. Quanto mais acostumado estiver com o processo, mais rápido conseguirá executá-lo. Carregue sempre os equipamentos necessários para reparos e deixe-os em um local de fácil acesso na bike. Antes de trocar a câmara furada, cheque se não há nenhum objeto preso ao pneu que possa furar a nova. Também tome cuidado para não rasgar a câmara no momento de encaixar o pneu na roda com as espátulas.

PROBLEMAS NO CÂMBIO
Ao menor sinal de ruídos vindo do câmbio, o ideal é levar a bike o quanto antes para a avaliação de um mecânico. Mas como durante a prova isso não é possível, procure alterar o mínimo possível a relação de marchas, evitando aquelas que parecem fazer barulhos estranhos — provavelmente a parte do câmbio que apresenta problemas. Se o câmbio não estiver bem regulado, também pode ser que a corrente caia ao fazer mudanças bruscas de marcha. Nesse caso, para tentar encaixá-la novamente enquanto pedala, mude a corrente para a coroa maior.

QUEDA DA CORRENTE
Para evitar contratempos caso a corrente tenha caído para dentro, acione rapidamente a coroa maior e pedale de forma leve até que ela volte a se encaixar. Quando a corrente pender para fora — o que é mais difícil acontecer —, é necessário parar e descer da bike para recolocar a corrente no lugar com as mãos. No entanto, se a corrente cair e emperrar entre o quadro e a pedivela, a única solução é carregar a bike e levá-la a um mecânico para soltar o movimento central.

FREIO RASPANDO NA RODA
Depois de passar por algum buraco ou um terreno muito irregular, é possível que o freio comece a raspar na roda, o que, além de gastar a pastilha sem necessidade, fará você perder velocidade. Isso ocorre por conta de um desalinhamento do freio ou da roda. Para resolver o problema do freio (se não for integrado), é preciso parar e descer da bike, e com a mão ajustar a distância das pastilhas em relação ao aro. Se o problema for a roda desalinhada, solte a blocagem e tente reposicionar a roda o mais centralizada possível em relação à bike.

Matéria publicada na revista VO2 #108, em março de 2015

Categories:

0 comentários:

Postar um comentário