Biketech Floripa

terça-feira, 11 de março de 2014

Fonte: Diário Catarinense


Já é a terceira edição da "peladada" — ou "pedalada pelada" — onde ativistas saem com os corpos pintados, alguns somente com as roupas de baixo e outros com nada para se cobrir. O evento faz parte da World Naked Bike Ride, um movimento que começou em San Francisco, nos Estados Unidos, para questionar que ciclistas precisam diariamente defender sua dignidade no meio do tráfego das grandes cidades. 

Estamos é "pelados de segurança", celebrando o corpo, que é o motor da bicicleta e a máquina mais perfeita que inventaram — diz Daniel de Araújo Costa.


Apesar de lúdica, a manifestação dos pelados levantava bandeiras mais sérias, como o aumento da quantidade de ciclovias, a aplicação da Política Nacional de Mobilidade Urbana e mais respeito no trânsito.


O código de vestimenta do evento diz: "tão nu quanto você ousar" e o objetivo é celebrar a pedalada e o corpo humano e protestar contra a vulnerabilidade dos ciclistas nas ruas e contra a dependência do petróleo.


A bicicleta é mais democrática, qualquer um pode ter, e promove, ao mesmo tempo, a saúde e a paz no trânsito — Daniel.


Fotos : Diário Catarinense


Bom humor e protesto
Fonte : Vá de Bike


Nudez mostra como ciclistas se sentem nas ruas:
invisíveis e desprotegidos. Foto: Rachel Schein
Na concentração, enquanto as pessoas tiravam suas roupas e pintavam seus corpos, um carro da polícia parou e dois oficiais desceram para averiguar o que acontecia. Após uma breve conversa com os participantes, porém, retiraram-se do local. Durante o passeio, gritos como “Você aí parado, vem pedalar pelado”, foram substituídos por “você aí fardado, vem pedalar pelado”, cada vez que passavam por um batalhão ou alguma base policial. A retribuição era sempre um sorriso por parte de quem estava ali, fardado, fazendo seu trabalho.


Ciclistas em frente ao Shopping Iguatemi cobram ciclovia
que deveria ter sido entregue em 2007. Foto: Rachel Schein
Sorrisos também foram a retribuição de seguranças e pessoas que passeavam no entorno do Shopping Iguatemi. Surpreendidas pela massa de ciclistas nus ou seminus, com os corpos pintados, as pessoas rapidamente erguiam suas câmeras e celulares para fotografar. Os ciclistas, por sua vez, aproveitaram para cobrar do shopping a ciclovia que deveria ter sido entregue junto com a inauguração, em 2007. “Ô, Iguatemi, a ciclovia não tá aqui!”, gritavam em coro.

Em 2012, no mesmo lugar onde deveria existir a ciclovia, na avenida Madre Benvenuta, o ciclista José Lentz Neto, de 60 anos, morreu atropelado. Os participantes da Pedalada Pelada prestaram uma homenagem ele durante o trajeto. Outro ponto de parada dos ciclistas foi em frente à casa do governador do Estado, Raimundo Colombo (PSD). A cobrança feita ao gestor também era por mais ciclovias e segurança.



Outras Peladadas

. Porto Alegre
   - Manifestantes nus e seminus fazem 'Pedalada Pelada' em Porto Alegre (G1.com)
   - 'Pedalada Pelada' reúne cerca de 200 ciclistas em Porto Alegre, diz PM (G1.com)

Fotos África do Sul

Fotos São Paulo

Vídeo: Pedalada Pelada SP 2012

Categories:

0 comentários:

Postar um comentário