Biketech Floripa

sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

Viajantes endinheirados deixam de lado a ostentação e os roteiros comuns e apostam nas magrelas para conhecer lugares charmosos na Europa.
Por Bruna BORELLI

Que tal visitar a tradicional região de Bordeaux, na França, com muito luxo e conforto, mas sobre duas rodas? O conceito, existente há mais de 40 anos, não é recente para americanos e europeus. À primeira vista inusitado, o cicloturismo de luxo tem seduzido cada vez mais os brasileiros abonados que querem fugir dos roteiros comuns de viagem. “Esse estilo turístico atrai principalmente quem já conheceu quase o mundo inteiro, está habituado ao luxo e busca novas formas de viajar”, afirma Adriana Kroehne, sócia da Bike Expedition, agência de turismo especializada em roteiros de charme. Durante o dia a ordem é pedalar. “De 15 até 60 quilômetros, mas sempre com paradas estratégicas”, diz Adriana. 

O Castelo de Mont Saint-Michel, na França, é uma das atrações para os turistas
que querem conhecer o país sobre duas rodas.

“A intenção não é ficar cansado. Afinal, não é uma corrida ou uma disputa para ver quem chega primeiro ao destino.” A noite será dedicada aos  requintados hotéis e badalados restaurantes incluídos nos roteiros, que costumam durar cerca de uma semana. Para assegurar o conforto, os trajetos contam com carros de apoio, que levam água, frutas e, claro, as bagagens dos turistas. Provando que, ao contrário do que muitos podem pensar, o perrengue passa longe desse tipo de viagem. Segundo Suzane Strehlau, autora do livro Marketing do luxo, a tendência do turismo de alto padrão é se afastar cada vez mais do convencional. “Nada de bandos de pessoas, grandes metrópoles ou experiências corriqueiras”, diz. 

É nesse contexto que se encaixa com perfeição o cicloturismo de luxo. “Essa não é uma viagem comum”, afirma Adriana. “Com a bicicleta você conhece profundamente a região, não pelo vidro do carro.” É por causa disso que as agências de turismo especializadas nessa modalidade de viagem demonstram bastante preocupação em inserir no roteiro algumas experiências locais. “Um almoço na residência de uma senhora francesa especialista em bouef bourguignon, um chá da tarde na casa de um pintor em Provença... Fazemos tudo para trazer autenticidade à viagem”, diz Guilherme Padilha, dono da AuroraEco, agência de turismo que representa a Duvine, empresa americana de cicloturismo de luxo, no País. 

Hospedar-se em um castelo cujo chão faz barulho ao andar é um detalhe que traz charme
e personalidade à viagem", diz Suzane Strehlau, autora do livro Marketing do luxo.

Suzane acredita que esse cuidado em trazer momentos únicos ao roteiro é essencial. “A ideia de luxo ainda está muito atrelada a marcas de moda, mas nem sempre luxo significa ostentação”, diz. “Hospedar-se em um castelo do século XVIII, cujo chão faz barulho ao andar, é um detalhe que traz charme e personalidade à viagem.” Para aqueles que estão interessados no cicloturismo de luxo, mas são temerosos quanto à forma física, Natália Simões Branco, gerente de marketing da canadense Butterfield & Robinson no Brasil, tranquiliza: “Temos três níveis de pedalada, desde a mais fácil até a mais desafiadora.” 

O orçamento cabe como uma luva no bolso dos endinheirados. São roteiros de seis noites que custam de R$ 10 mil até R$ 30 mil por pessoa, dependendo de quantos serviços extras são incluídos. Isso sem contar com passagens aéreas ou de trens.  Entre os destinos mais procurados estão a França, com destaque para Provença e Alsácia, e a Itália, à frente Toscana e Puglia. Turistas que procuram roteiros menos tradicionais também podem optar pela Áustria, Croácia, Irlanda e Turquia. É possível, ainda,  montar itinerários customizados ou adquirir roteiros pré-selecionados. “Um grupo pode ter até 14 pessoas e ser fechado entre amigos ou turistas do mundo inteiro”, diz Padilha, da AuroraEco. 

Das três agências citadas, apenas a Bike Expedition trabalha com grupos exclusivos de brasileiros. “Pode ser uma vantagem ao lidar com consumidores que preferem estar entre semelhantes”, diz Adriana. É o caso da representante comercial Vera Aronis, de São Paulo. “Já viajei com agências estrangeiras, mas prefiro estar entre compatriotas”, afirma. Padilha conta que muitos brasileiros preferem viajar com estrangeiros. “Os turistas adoram trocar cultura”, diz o dono da agência AuroraEco. Segundo ele, o cicloturismo de luxo passa por um período de crescimento atualmente em função do  contexto social em que o Brasil vive. “As pessoas estão mais conscientes sobre o uso da bicicleta e o estilo de vida mais saudável”, diz Padilha. “Claro que isso também influenciaria no ramo turístico.”

4 comentários:

  1. Muito legal! Já conhecia este conceito de turismo, lá pela Europa, e a exemplo do Caminho de Santiago que se faz a pé, de bike chega-se muito mais longe ;)
    Feliz Ano Novo e muito pedal em 2013!!!

    ResponderExcluir
  2. Ah! que pena que as imagens não abriram...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não sabia disto... para mim elas abriram normalmente... Ainda hoje corrigirei este problema.
      Obrigado pela dica!

      Excluir