Cicles Hoffmann

terça-feira, 22 de novembro de 2016

Pedalar longas distâncias é o desejo de muitos ciclistas. Poder enfrentar desafios pessoais, como uma nova escalada, um trecho técnico ou mesmo um percurso aparentemente insuperável, é o que motiva muitos amadores a continuarem treinando forte e com disciplina. 

O problema é quando alguns sintomas começam a atrapalhar essa rotina. O mais comum deles é a dor, e pior, nem sempre é possível desvendar a causa dela.


As dores na coluna lombar são extremamente incidentes na população adulta, independente de ser ciclista ou não. Muitos estudos apontam que até 85% da população tem ou já teve sintomas de dor lombar. As causas são diversas, má postura, sobrecarga muscular, sedentarismo, obesidade entre outras. A posição sentado na bike, com o corpo curvado associado á longas horas de esforço também pode ser um fator de risco. Quanto maior a exigência de performance e mais agressiva a posição maior é o estresse na coluna.

É de grande importância para o ciclista saber identificar quando essa dor é um mal estar passageiro, como a adaptação á uma nova bike ou material ou quando é realmente uma lesão aparecendo. A dor por exigência física ou adaptação deve sumir rápido. A dor na coluna lombar pode ser classificada como aguda (até 1 mês desde o início), subaguda ( 1 a 3 meses), crônica ( 3 meses ou mais de duração) ou recorrente, que é quando o indivíduo apresenta pelo menos 3 crises agudas por ano, com duração de mais de um dia em cada crise e um intervalo de melhora de mais de um mês entre essas crises. É muito importante você identificar em qual desses modelos de classificação você está.


Bike Fit
A dor lombar apresenta fases em que deverá ser tratada com recursos analgésicos como fármacos, fisioterapia ou acupuntura, e em outros momentos com exercícios como pilates, RPG, treino funcional ou fortalecimento muscular específico. Não podemos esquecer que em um ambiente de trabalho como num escritório ou numa fábrica por exemplo, devemos respeitar as questões ergonômicas para que o trabalhador não apresente lesões, no ciclismo também devemos harmonizar o ciclista com a bike corrigindo sua ergonomia. O bike fit poderá corrigir possíveis desajustes na bike para seu condutor, como um guidão muito longo ou baixo e/ou um selim muito alto. Somente após uma avaliação física, postural e antropométrica é que o profissional "bike fitter" deverá realizar esses ajustes. Esse profissional poderá também orientá-lo quanto ao tipo de alongamento e reequilíbrio muscular que você deverá conduzir sua rotina de treino.

Este artigo não tem a intenção de elucidar todas as questões relacionados ao tema, pois somente com uma entrevista investigativa ( ou muitas) é que o profissional médico do esporte, fisioterapeuta, educador físico ou bike fitter, poderá ajudá-lo. Como falado anteriormente, a lombalgia é multifatorial. Muitas vezes a causa da dor permanecerá oculta, mas a notícia boa é que com os recursos de tratamento existentes hoje é muito provável que você resolva seu problema e continue pedalando.

Se você desconfia que a sua dor está demorando demais para passar, ou apresenta caráter progressivo, ou seja, está piorando, procure um especialista.


Publicação escrita por
Regis Luciano Rocha Santos
Fisioterapeuta (especialista em fisioterapia esportiva, acupuntura,  RPG e bike fit).

Categories:

0 comentários:

Postar um comentário