Biketech Floripa

terça-feira, 13 de agosto de 2013

Certa noite (quarta feira, 07/08), acessando o Facebook, me deparei com a publicação inicial e o comentário abaixo.


A notícia inicial, relatando o fim

Biker 1Caminhava hoje à tarde por volta das cinco, bem no Koxixo's, com minha mulher e me deparei com um indivíduo no chão e uma bicicleta caída. Fiquei preocupado com o ciclista. Chegando perto descobri que era uma bicicleta roubada e ele estava deitado sob a mira da pistola de um policial civil. Estava faltando isso para dar tranquilidade a quem pedala pela Beira Mar.

 
Um comentário, resumindo o fato

Biker 2: O dono da bike é meu namorado e o capacete dele estava junto com a bicicleta na hora do roubo. A sorte foi que um policial de folga estava passando pela rua do cemitério, observou atitude suspeita de uma pessoa e procurou saber de quem era a bicicleta. Encontrou o dono e saíram em perseguição minutos após a ação e com sorte pegaram o cara que foi encaminhado a 1a DP, algemado.


No dia seguinte, veio a ...

 
História completa

Gabriel e sua bike
Sou professor na Escola Anabá, localizada na rua do cemitério do Itacorubi e utilizo a bicicleta como meio de transporte. Possuo a mesma bike há 15 anos uma Sundown Rain Drop, a qual periodicamente faço revisões e à medida do possível troco algumas peças para melhorar minha segurança na pedalada (aro duplo, suspensão). 

Chego de manhã na escola, deixo no bicicletário que fica na frente do portão (dentro do estabelecimento) e este permanece fechado durante toda manhã, portanto não passo cadeado. A única coisa que fazia era prender com cadeado meu capacete junto ao quadro da bicicleta para que eu nao precise ficar carregando o capacete pra lá e pra cá. Na parte da tarde o portão para carros da escola fica aberto e normalmente eu tiro a bicicleta de lá, boto em lugar fora da visão de quem passa na rua e passo o cadeado. 

Nessa última quarta-feira (dia 07/08) esqueci de tirar a bike da frente do portão e por volta das 17h estava na quadra dando aula quando vieram me perguntar se eu havia ido de bicicleta, respondi afirmativamente e me disseram então que um homem viu um cara suspeito levando a bicicleta dali. A minha reação foi de sair correndo pela rua para ver se o alcançava, porém o homem me alertou que o suspeito havia saído com a bicicleta fazia 5min e que eu não conseguiria alcançar. Falou pra eu entrar no carro dele que tinha visto a direção que o suspeito havia tomado, fomos até o João Paulo quando o homem se identificou, falou que era Policial, mas estava de folga, não encontramos no bairro João Paulo e seguimos pela Beira-Mar prestando atenção na ciclovia, foi então que avistei meu capacete na cabeça de outra pessoa e reconheci minha bicicleta (um pouco depois do Angeloni, na ciclovia). Foi então que paramos no Koxixos e esperamos ele passar, o ladrão, próximo de onde estávamos esperando parou para ajeitar o capacete, foi a deixa para o abordarmos. O Policial jogou ele rapidamente no chão e apontou a arma pra ele, o suspeito em nenhum momento ofereceu resistência ficou ali deitado com as mãos para trás até chegar a viatura, que demorou uns 15min. Enquanto passavam pessoas caminhando, uma pessoa parou e perguntou ao policial se havia roubado a bike e perguntou se podia bater uma foto para o grupo Bicicletada Floripa o policial autorizou. 

Fomos a 5a DP na Trindade onde fizemos B.O. e depois para a Central no Centro, próximo ao Ceisa Center. O ladrão se chama Leonardo de Oliveira, 20 anos, natural de Palmitos/SC. Já havia sido apreendido quando era menor de idade por tráfico de drogas.

Felizmente minha história de furto teve um final feliz, o PM se mostrou muito disposto e preparado. Não é qualquer um que no seu dia de folga se dispõe como ele fez. Quero agradecer o Soldado Manoel Moreira de Souza que se mostrou um ótimo policial e ficou de delegacia em delegacia por 3h em seu dia de folga por furto de uma bicicleta.

Não consigo pensar o que faria sem minha bicicleta hoje em dia, pois a utilizo diariamente.

Este é meu depoimento.

Obrigado,
Gabriel Junckes da Silva Mattos
Categories:

4 comentários:

  1. Felizmente um final feliz, onde um bem foi recuperado sem envolver violência. Espero que o elemento tenha aprendido algo de positivo e não se torne reincidente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim! Cheguei a sonhar q minha bike tinha sido recuperada e também sem violência...

      Acordei achando q iria pedalando com ela para o trabalho, pois foi bem real, mas foi apenas sonho :(

      Excluir
  2. O problema é que o cara já deve estar solto planejando o próximo roubo. Levaram a minha de dentro do meu prédio arrombando 2 portões e 2 cadeados grandes, isso no dia de natal. Desci com meu filho de cinco anos para sair os de bike. Ao chegar na garagem meu filho falou: pai, cadê nossa bike? Respeito a opinião de todos, mais se eu tivesse a sorte de encontrar o cara que roubou, não iria ter esse papo de " sem violência" desculpa o desabafo.

    ResponderExcluir
  3. Que sorte a do Gabriel. Em 2009 eu perdi a minha Schwinn pra nunca mais ver.

    http://www.youtube.com/watch?v=zCiMhkueY0w

    ResponderExcluir